Fórum - História - 9ª Série - Unidade 2

Charges sobre o capitalismo. Acompanhe e interaja com seus colegas no fórum.

Use o Chatroll ou o Facebook para convidar seus amigos e discutir o tema do fórum.

Um livro extremamente polêmico. Reproduzimos a resenha do site com as opiniões dos leitores para vocês retomarem as discussões com os colegas, MANTENDO UM NÍVEL ALTO E RESPEITOSO.

Sinopse

 

O Caso Farewell começa em 1981, depois da invasão da União Soviética ao Afeganistão. As relações entre os Estados Unidos da América e a União Soviética estão no seu ponto mais frágil em mais de uma década. Um simples homem de negócios francês residente em Moscovo, Pierre Froment, estabelece uma ligação indesejada com Grigoriev, um destacado oficial do KGB desencantado com aquilo em que o ideal comunista se tornou às mãos de Brezhnev (antigo Presidente da União Soviética 64-82). Grigoriev começa por passar informação altamente confidencial acerca da rede de espiões soviéticos nos Estados Unidos. Atormentado pelo medo de pôr a sua mulher e filhos em risco, e ao mesmo tempo pela vontade de saber mais, Forment, leva os documento até ao governo francês. Rapidamente a informação chega à Casa Branca e leva o regime soviético ao ponto de rotura, obrigando o KGB a intensificar os seus métodos na busca desta fuga de informação, colocando ambos os homens e as respectivas famílias num perigo extremo.

12 comentários

Ficha Técnica
Realização
Christian Carion
Interpretação
David Soul Emir Kusturica Guillaume Canet Ingeborga Dapkunaite
Argumento
Christian Carion
 
Fonte:
http://cinema.sapo.pt/filme/laffaire-farewell
Edição 1914 de 11 a 17 de março de 2012
Fonte:
http://www.jornalopcao.com.br/colunas/imprensa/o-espiao-do-kgb-que-derrubou-a-uniao-sovietica
 

Euler de França Belém
O espião do KGB que derrubou a União Soviética
Livro resgata a história de Vladimir “Farewell” Vetrov, o espião do KGB que passou informações para a França e foi decisivo para o governo Reagan agir e trabalhar pela liquidação do sistema comunista

A primeira impressão que se tem do livro “Adeus, Farewell — O Espião Russo Que Mudou o Curso da História” (Record, 446 páginas, tradução de André Telles) é que seus autores, o russo Sergueï Kostine e o francês Éric Raynaud, superlativam a importância do espião e engenheiro soviético Vladimir Vetrov (1932-1985) na derrubada do império da União Soviética. Entretanto, uma leitura atenta, sobretudo quando se verifica como os Estados Unidos trabalharam com as informações de Vetrov, sugere a conclusão de que o seu trabalho foi devastador. “Não é impossível pensar que, sem a ação solitária de Farewell, a perestroika e o fim da guerra fria poderiam muito bem ter acontecido dez, quinze ou vinte anos mais tarde”, avaliam Kostine e Raynaud. A primeira versão da pesquisa de Kostine (sem a participação de Raynaud) rendeu o filme “O Caso Farewell” (“L’Affaire Farewell”), com Diane Kruger e Willem Dafoe e dirigido por Christian Carion.

O livro tem histórias paralelas impressionantes, por exemplo sobre a escalada de um espião no KGB — o nepotismo predominava na era Brejnev —, mas, num comentário breve, vou me circunscrever à exposição central de Kostine e Raynaud. A história de Vetrov começa a ganhar corpo em 1965, quando é indicado para um cargo na embaixada soviética na França. Aos 33 anos, foi para a terra de Flaubert e Proust como representante do Ministério do Exterior, embora sua função real fosse espionar e obter segredos científico-tecnológicos do governo e das empresas franceses. Sua mulher, a belíssima Svetlana, o acompanhou.

Aos poucos, com sua energia esfuziante, Vetrov conseguiu atrair aliados ideológicos ou interessados em dinheiro para a causa comunista, como o engenheiro Pierre Bourdiol, que entregava segredos da empresa Thomson-CSF para a espionagem soviética. O executivo Jacques Prévost, alto executivo da Thomson-CSF, aproximou-se do homem do KGB, não para dar-lhe informações tecnológicas, e sim para negociar com a União So­viética e, também, obter informações. Prévost era ligado à DST, a contraespionagem francesa.

Uma luz “acendeu-se” no cérebro de Prévost ao escutar Vetrov fazendo críticas cerradas aos seus superiores, ao Partido Comunista e ao sistema da União Soviética. Isso no fim da década de 1960. Quando o KGB decidiu repatriá-lo, Vetrov sentiu-se mal e, numa conversa com Prévost, chorou. O espião contou para Svetlana que Prévost havia lhe “proposto uma defecção” e o aproximou de Pierre, ou Jean-Paul, do serviço secreto da França. Svetlana disse “não” e os Vetrov voltaram para Moscou em 1970.

Ao se apresentar ao KGB, Vetrov foi lotado pela PGU (1ª Direção Geral do KGB) na Direção T, especializada em informação científica e tecnológica. Promovido a tenente-coronel, ainda assim não recebeu nenhuma condecoração, mas foi indicado para o cargo de chefe do Departamento Estrangeiro da Direção-Geral das Relações Econômicas, Científicas e Técnicas. “Supervisionava todos os contatos com os países capitalistas em nome de seu novo Ministério.”

Mesmo assim, Vetrov queria mais, achava-se extremamente capaz, porém não tinha protetores na cúpula do sistema e o nepotismo predominava. Começou a beber muito e arranjou uma amante. Como amava a mulher, sob pressão dela, rompeu com a amante. Sua vida, mesmo para um homem do KGB, era muito cara, mas não há indícios de que já recebesse dinheiro dos franceses. Tanto que, em 1972, a PGU tentou enviá-lo para Marselha, mas o governo francês vetou seu nome. Sua pequena “fortuna” tinha a ver com “jogadas” feitas na França, possivelmente propinas de grupos empresariais que negociavam com a União Soviética.

Em 1974, Vetrov foi indicado para o posto de chefe dos engenheiros na Representação Comercial da URSS em Montreal, Canadá. Suspeito de negócios ilícitos, Vetrov foi repatriado pelo KGB. O chefe da contraespionagem francesa, Raymond Nart, conta que os canadenses tentaram recrutar Vetrov, mas sem sucesso (os autores do livro têm dúvida sobre o insucesso). De volta a Moscou, Vetrov é nomeado para o posto de assistente do chefe do 4º Departamento (Informação e Análise) da Direção T (de Tecnologia) da PGU. “Do ponto de vista da carreira, o setor era um degradante depósito de lixo com uma equipe sem motivação e tradicionalmente propensa à bebida”, anotam Kostine e Raynaud. “O paradoxo é que agora o trabalho de Vetrov consistiria em coletar e sintetizar os relatórios das residências do KGB, espalhadas pelo mundo, relativos à informação científica e técnica. O mesmo que entregar as chaves do galinheiro à raposa.”

Por que um comunista exemplar decidiu trabalhar para o Ocidente capitalista? A explicação talvez seja mais prosaica (e humana) do que ideológica. “Após ter passado uma temporada no estrangeiro, onde as pessoas viviam nitidamente melhor que na União Soviética, Vladimir não conseguia mais aceitar as realidades russas. Para ele, aquilo era uma subvida, e tudo que o cercava não era digno dele”, escrevem, possivelmente com acerto, Kostine e Raynaud. Ao mesmo tempo, Vetrov era boicotado nas promoções. Daí cultivou um ódio visceral ao KGB. “Aos 48 anos, via-se sem nenhuma perspectiva e simples tenente-coronel.” Bem informado sobre a situação real da União Soviética, percebia com nitidez que “o regime comunista achava-se em decomposição, lenta mais visível”. A vida pessoal começou a degringolar. Vetrov e Svetlana tinham amantes. Ludmilla Otchikina, uma mulher casada, era a amante do espião. Eram colegas de trabalho. Ele tornou-se um bêbado contumaz.

“Assassinato” do papa

Os mestres da espionagem ficaram surpresos ao saber que Vetrov trabalhava para a contraespionagem francesa, pois não era lógico. Mas Vetrov sabia o que estava fazendo. Ele tinha conhecimento que “os principais serviços especiais ocidentais”, tanto a CIA americana quanto o Sdece francês, “estavam infiltrados pelo KGB”. O DST, sem experiência externa, era mais seguro e “a França não era considerada um inimigo de fato da URSS”. Outro motivo é que havia um contato anterior de Vetrov com agentes do DST. O terceiro fator é “que, graças à sua temporada parisiense, Vetrov certamente devia conhecer bem os franceses, suas qualidades e defeitos”. Com a vida pessoal em frangalhos — ele e a mulher nem conversavam mais, embora vivessem sob o mesmo teto —, Vetrov decidiu viver nos perigosos subterrâneos da espionagem ativa.

Embora gostasse de ter uma vida boa, Vetrov não espionou para os franceses, segundo Kostine e Raynaud, por dinheiro, e sim por raiva do sistema comunista e, sobretudo, do KGK, que era movido pelo “quem indica”, e não pelo mérito. Com sua ascensão pessoal barrada, Vetrov, mesmo sem avaliar as consequências de seus atos, decidiu “destruir” o KGB e, portanto, o regime. Às vezes pedia aos franceses bebida para os amigos e presentes para a amante Otchikina. Os próprios franceses surpreendiam-se com o custo baixo de um espião tão valioso, mas é preciso ressalvar que, se Vetrov fosse notado vivendo além das posses — aliás, antes do contato com os franceses, já tinha uma vida melhor do que a de outros agentes do KGB —, imediatamente seria preso.

Para espionar para os franceses, Vetrov procurou Prévost. O executivo Xavier Ameil, com o apoio da mulher, Claude, foi indicado para o primeiro contato com o homem do KGB. No primeiro encontro, Ameil disse que Prévost propunha uma deserção, mas o agente rebateu: “Mas não posso partir! Quero trabalhar com a DST durante três anos e estou cheio de informações para passar”.

Uma das primeiras informações de Vetrov contribuiu para desmantelar a rede de informantes soviéticos na França. Ele entregou o nome de Pierre Bourdiol e de outro agente. “Bourdiol era o responsável por todos os documentos relacionados com o Symphonie, satélite franco-americano, [e] que ia frequentemente aos Estados Unidos, trazendo de lá um grande volume de informações.” Os franceses ficaram impressionados com o volume de informações objetivas passadas por Vetrov, em 1981. Um único espião fazia o trabalho de dezenas de espiões, e com custo financeiro próximo de zero. Vetrov às vezes pedia uma garrafa de uísque. Ameil deu-lhe uma calculadora, um despertador elétrico, um anel e um colar (bijuterias). “Vetrov ficou satisfeito; contentava-se com pouco.” Certa feita, Vetrov entregou para Ameil  “o célebre dossiê Smirnov, chefe da VPK (Comissão Militar-Industrial), que iria permitir reconstituir todo o sistema da informação tecnológica graças a documentos assinados pelos mais altos funcionários soviéticos”. Como não era profissional, Ameil foi substituído pelo adido militar Patrick Ferrant. Os encontros de Vetrov com Ameil e Ferrant ocorreram todos em Moscou, sob as “barbas” do KGB.

O codinome Farewell foi escolhido pelos franceses para, como a palavra é inglesa, enganar o KGB, no caso de descoberta do espião. O KGB possivelmente pensaria que ele estaria a serviço dos americanos ou dos ingleses. Ao profissionalizar o contato, o DST, por intermédio de Ferrant, passou a pagar Vetrov com dinheiro. O sistema de espionagem era simples e não muito bem planejado. Vetrov entregava documentos aos franceses, que faziam cópias, às vezes com dificuldade, dado o volume de informações, e depois devolviam ao espião. Uma vez, Vetrov disse a Ferrant: “Não vamos parar por aqui, até que eles explodam. Temos de continuar”.

Kostine e Raynaud revelam, a partir das informações de Vetrov e dos franceses, que, na década de 1980, os soviéticos tinham medo da terceira guerra mundial. Yuri Andropov, chefão do KGB, chegou a escrever um memorando “revelando” que o governo dos Estados Unidos estava se preparando para um ataque nuclear. Vetrov entendia que, como era muito mais atrasada tecnologicamente do que pensavam os ocidentais, a União Soviética perderia a guerra e seria destruída.

Uma informação estranha e pouco explorada no livro dá conta de que os soviéticos “sabiam” que o papa João Paulo 2º sofreria um atentado. “Gromyko declarara aos representantes dos membros do Pacto de Varsóvia que o problema com o papa ia ser ‘resolvido’.” Vetrov disse que “ouviu de seus colegas que ‘não restava dúvida alguma de que a origem do atentado estava em Moscou’”. Diferen­temente de outras informações, documentadas, Vetrov não apresenta provas do que diz. Mas era fato que o papa incomodava a União Soviética por causa de sua influência no Leste Europeu, sobretudo na Polônia, sua terra natal.

Sabotagem tecnológica

Quando François Mitterrand foi eleito presidente, os diretores e agentes da DST ficaram preocupados. Acreditavam que, por ser socialista, Mitterrand poderia entregar os segredos da espionagem para a União Soviética. Mas, ao obter as informações, Mitterrand decidiu não repassá-las aos soviéticos. “Ele era o único líder do mundo capitalista a conhecer o sistema de pilhagem tecnológica praticada pela União Soviética, cuja envergadura era de tal ordem que punha na berlinda toda a política otaniana em matéria de defesa e segurança.” O diretor da DST, Marcel Chalet, sugeriu que o presidente informasse ao presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, “principalmente sobre o sistema de proteção por radar do território dos Estados Unidos, inteiramente desvendado pelo KGB”.

Em julho de 1981, em Ottawa, Mitterrand e Reagan conversaram sobre o assunto. No início, Reagan não percebeu o alcance das informações. Marcel Chalet passou mais informações ao vice-presidente George Bush (pai). Ao ouvir as informações detalhadas sobre o sistema de defesa do território dos Estados Unidos, Bush ficou boquiaberto. Uma reunião foi convocada, imediatamente, com a participação de William Casey, diretor da CIA, William Webster, chefe do FBI, e o almirante Inman. Bush disse, depois, “que se tratava ‘da primeira incursão significativa do Ocidente por trás da Cortina de Ferro”. Enquanto a CIA patinava, a DST descortinou o atraso tecnológico da União Soviética e sua política de ra­pina no campo científico-militar.

Quando William Casey informou com precisão sobre a apuração de Vetrov-DST, Reagan disse, “absolutamente estarrecido”: “É o maior peixe desse tipo desde a guerra!”. As informações objetivas e úteis transformaram Reagan e Mitterrand em aliados e, mesmo, amigos. “Com suas revelações, o presidente socialista marcava nitidamente adesão ao campo ocidental e aos seus valores.” O presidente americano percebeu que estava sendo mal guiado pelas informações da CIA e decidiu mudar de rumo nas relações com a União Soviética.

Vetrov revela sobre a União Soviética: “É como um mau aluno que cola do vizinho. Se não pode mais colar, fica sem saída. Quando precisamos de um pino para um de nossos foguetes, nossos escritórios de pesquisa nem sequer se colocam a questão de saber que tipo de pino seria o mais apropriado, mas, sim, em que oficina de Cabo Canaveral poderemos encontrá-lo. Isso é um absurdo”. O ônibus espacial Buran foi “concebido em grande parte a partir da pilhagem da tecnologia ocidental. A nave voaria apenas uma ou duas vezes. Quando perguntarem depois da guerra fria aos engenheiros por que eles projetaram aquela nave, alguns responderão que não faziam ideia, que se tratava apenas de copiar os americanos”, escrevem Kostine e Raynaud.

Certa vez, Brejnev pediu aos especialistas do KGB que dissessem a verdade sobre as condições de a União Soviética enfrentar os Estados Unidos no campo militar-industrial. Eles disseram que o país comunista estava atrasado, em comparação aos EUA. Brejnev temia a instalação dos mísseis americanos Pershing na Europa. O que fazer? A União Soviética manipulou e financiou os movimentos pacifistas europeus, que passaram a pregar a paz.

Um dos capítulos mais instigantes do livro é o 28, “A guerra fria, Reagan e o estranho Dr. Weiss”. Ve­trov queria destruir o KGB e, como consequência, o sistema comunista. Mas não tinha meios para fazê-lo. Os Estados Unidos, pelo contrário, tinham os meios, a partir de suas informações. Num primeiro momento, Reagan decidiu atacar a União Soviética mais “por instinto ou mera convicção”. Fal­tavam informações precisas sobre a situação real da União Soviética. Os sovietólogos oficiais ou independentes, trabalhando com informações e estatísticas do governo comunista, acabavam por repassar informações pouco fidedignas. Na falta de dados objetivos trabalha-se com os que se recebe — e os dados do governo soviético eram frequentemente superestimados, para indicar a “pujança” da economia do país.

Richard Allen frisa que Reagan era inteligente, ainda que não culto, e sabia jogar duro, como estadista. Sobre o governo soviético, disse, a jornalistas estupefatos: “Os russos irão mentir, trapacear e nos roubar tudo que podem para chegar a seu objetivo”. Nesse momento, Reagan ainda nada sabia sobre Vetrov, mas já havia indícios de que a União Soviética não estava bem das pernas — extraindo abusivamente petróleo (como Hugo Chávez) e gás para manter a economia em pé — e que havia certa insatisfação nos escalões médios e mesmo altos do Partido Comunista.

Ao estudar detidamente as informações repassadas por Vetrov aos franceses, o National Security Couincil (NSC), orientado por Richard Allen, percebeu que “o império soviético podia estar perfeitamente vencido e desaparecer, ideia que parecia estapafúrdia em 1980”. O NSC criou a “take down strategy” (estratégia de derrubada), “tendo por objetivo ganhar a guerra fria estrangulando economicamente a União Soviética”. A estratégia está exposta no documento secreto NSDD 75 (National Security Decision Directive).

Eram três os pilares da estratégia americana para minar o comunismo soviético. Primeiro, “a Casa Branca iria reiterar sua firmeza no domínio geoestratégico e militar. Isso resultará na instalação dos mísseis Pershing na Europa e na intensificação do apoio aos movimentos contrarrevolucionários na América Central, em Angola e no Afe­ga­nis­tão, com o fornecimento de mísseis terra-ar Stinger aos mudjahidin”.

Segundo, contam Kostine e Raynaud, “os americanos decidiram, em coordenação com as potências petroleiros aliadas do Golfo, aumentar de maneira significativa a produção petrolífera a fim de provocar uma queda das cotações do barril, reduzindo assim as reservas em divisas da URSS. Essa política petroleira será acompanhada por uma política monetária bastante restritiva do Federal Reserve, que fará cair a cotação do ouro, outro recurso soviético”.

Terceiro, “Reagan se envolverá diretamente numa volta brutal da corrida às armas, com, de um lado, a realização de novos programas militares clássicos, como o do famoso bombardeio furtivo, e sobretudo pela implantação do projeto de iniciativa de Defesa Estratégica (mais conhecido pelo apelido de projeto Guerra nas Estrelas). Um desafio tecnológico de porte lançado a uma economia soviética que repousava em grande parte em seu complexo militar-industrial, por sua vez dependente da pilhagem da tecnologia ocidental pela linha X do KGB. Uma rede que, desde as revelações de Vetrov, não era mais um segredo para a administração Reagan”.

Kostine e Raynaud apresentam um personagem intrigante, Gus Weiss, conselheiro do National Security Council, especialista em assuntos econômicos e questões tecnológicas e estratégicas. Antes de servir ao governo, e depois de ter sido aluno em Harvard, foi um ci­en­tista brilhante. Weiss “era”, nas pala­vras de Richard Allen, “um gênio”.

Como consultor econômico para espionagem tecnológica do NCS, indicado por Richard Allen, Weiss recebeu o dossiê de Vetrov-Farewell. Weiss ficou chocado porque as informações do espião soviético confirmavam e ampliavam as que vinha colhendo desde 1974. O “dr. Strangeweiss” (referência ao doutor Strangelove do filme de Stanley Kubrick) “propôs a William Casey, diretor da CIA e amigo pessoal de Reagan”, em janeiro de 1982, “adotar um vasto plano de sabotagem da economia soviética transmitindo falsas informações aos espiões da linha X do KGB. Esse plano recebeu imediatamente a aprovação entusiasta de Reagan em pessoa”.

Uma das preocupações de Weiss era o petróleo, base do relativo sucesso da economia soviética. A União Soviética estava preparando a construção de um oleoduto siberiano em direção à Europa do Leste. “O plano de Weiss ia colocar todo mundo de acordo: por intermédio de uma empresa canadense, ele transmitiu à linha X softwares de gestão de válvulas e turbinas de oleoduto previamente carregados com vírus. Programados com um efeito de retardo, deviam dar a ilusão de que, num primeiro momento, tudo funcionava normalmente. A súbita ativação dos vírus, em 1983, provocaria uma imensa explosão de três quilotons de gás na jazida de Urengoi”, na Sibéria.

“Para os soviéticos”, explicitam Kostine e Raynaud, “a operação de sabotagem do oleoduto era um novo e rude golpe. Em primeiro lugar, atrapalhava as exportações de hidrocarbonetos e a entrada crucial de divisas estrangeiras. Como o complexo militar-industrial soviético repousava em grande parte da tecnologia desviada do Ocidente, o lado americano tentava fazer com que a catástrofe provocasse uma paranoia geral no KGB em relação aos equipamentos industriais da URSS e depois uma perda de confiança em sua espionagem tecnológica, no momento em que a União Soviética mais precisava dela”.

Em março de 1983, Reagan lança sua Iniciativa de Defesa Estratégica, o famoso programa “Guerra nas Estrelas”, que custaria 30 bilhões de dólares. Isto forçou a URSS a retirar dinheiro do mercado interno, da produção de bens e do consumo popular, para investir na corrida armamentista, numa tentativa vã e néscia de acompanhar os Estados Unidos. O resultado é que o país comunista quebrou e tudo leva a crer que o secretário Mikhail Gorbachev não teve a percepção exata do que estava acontecendo ou, quando acordou, era tarde demais. Inicialmente, Gorbachev avaliou, errado, que o sistema poderia ser reformado e seguir adiante, como comunista. Era um profundo auto-engano de um líder inteligente mas que não soube entender, com nitidez, as forças que estavam em jogo. O sistema estava carcomido e os soviéticos haviam desistido de continuá-lo.

William Casey e o secretário de Defesa, Caspar Weinberger, operaram um plano econômico para asfixiar a União Soviética. “O segmento financeiro, que devia proibir aos soviéticos o acesso ao crédito dos bancos ocidentais, era pilotado por Roger Robinson, um banqueiro nova-iorquino experiente no mundo das finanças internacionais. No Departamento de Defesa, foram Fred Ikle e Richard Perle que se encarregaram de coordenar com seus aliados a limitação, quando não a interdição das transferências de tecnologia para o Leste.” Kostine e Raynaud dizem que “é neste último domínio que a produção Farewell volta a assumir toda a sua importância. Quando Richard Perle recebeu das mãos de um agente da CIA o dossiê Farewell também ficou totalmente abobalhado: ‘Naturalmente sabíamos que os russos nos roubavam, mas, nesse caso, isso ultrapassava tudo que imaginávamos. Para cada pedido de tecnologia, era alocado um orçamento correspondente para sua coleta’”.

Com as informações de Vetrov, provando que a União Soviética preferia roubar segredos científicos-tecnológicos do que investir dinheiro em pesquisa, os franceses também passaram a colaborar com os norte-americanos nas operações de sabotagem.

Os franceses criaram uma operação sobre “supostas propriedades de um metal, o isótopo 187 do ósmio, na utilização das armas que empregavam tecnologia laser. Com o lançamento do projeto Guerra nas Estrelas por Ronald Reagan, essa tecnologia tornara-se uma das prioridades da informação tecnológica soviética”. Relata o general Guyaux: “No fim dos anos 1970, falava-se muito do ‘graser’, espécie de laser que utilizava não os raios do domínio óptico, do infravermelho ao ultravioleta, mas os superenergéticos raios gama emitidos pelos corpos radioativos. Na França, o professor Jaéglé tinha obtido um fraco efeito laser com raios X. Mas daí a dominar completamente o campo raios gama, isso era impensável. Se o ‘graser’ pertencesse ao domínio do possível, seria uma arma temível, uma vez que os raios gama são muito penetrantes”. Pois os dados repassados por Vetrov indicam que o governo soviético estava preocupado em pesquisar o ósmio. “A Direção T orientou imediatamente seus oficiais de informações” a buscaram informações sobre o “projeto”, principalmente na França. Os soviéticos passaram a falar de ósmio e “graser” com frequência. Para iludir os comunistas, os americanos compraram ósmio natural da própria União Soviética. A URSS torrou dinheiro e não conseguiu o tal “graser”.

Kostine e Raynaud avaliam que a operação mais importante da DST “consiste” na “espetacular expulsão de diplomatas soviéticos identificados graças a Farewell como agentes do KGB”. Os soviéticos perderam as fonte de informações confiáveis e, como não faziam pesquisas de qualidade, pois preferiam roubar segredos tecnológicos — porque custava menos —, ficaram para trás e, do ponto de vista econômico, quebraram o sistema. Por isso, é mesmo possível chamar Vetrov de o espião que destruiu a União Soviética. Ele talvez tenha sido o Gorbachev da espionagem. Condenado por traição à pátria, Vetrov foi fuzilado em 1985.

Outro fato curioso, e raramente apontado, é que a França do socialista François Mitterrand foi decisiva para destruir o comunismo soviético. Sem as informações francesas, Reagan e os Estados Unidos poderiam ter devastado o comunismo de Gorbachev, mas poderiam ter atrasado a guerra econômica em alguns anos. Nota-se mais a participação de Reagan e Margareth Thatcher como coveiros do comunismo. Como prova o livro, o primeiro coveiro talvez tenha sido o socialista Mitterrand. A contribuição do papa João Paulo 2º também foi crucial para a derrota, porque incentivou e potencializou a insatisfação interna de alguns países comunistas, como a Polônia.

+1

Cláudia Helena · 94 semanas atrás

‎"Certa vez, Brejnev pediu aos especialistas do KGB que dissessem a verdade sobre as condições de a União Soviética enfrentar os Estados Unidos no campo militar-industrial. Eles disseram que o país comunista estava atrasado, em comparação aos EUA. Brejnev temia a instalação dos mísseis americanos Pershing na Europa. O que fazer? A União Soviética manipulou e financiou os movimentos pacifistas europeus, que passaram a pregar a paz". Boa essa!!! Só eu que acho passeata pela paz uma perda de tempo?
-3

EZIO · 93 semanas atrás

NAO NOS ESQUECAMOS QUE O COMUNISMO SEMPRE SOBREVIVEU SOBRE OS PILARES:ESCRAVIDAO DO PROPRIO POVO, EXPLORACAO EXCESSIVA DE SUAS RIQUEZAS MINERAIS E ROUBO DE TECNOLOGIA ALHEIA.POR EXEMPLO POUCA GENTE SABE MAS NO FINAL DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL OS SOVIETICOS ROUBARAM FABRICAS INTEIRAS E TODOS OS ENGENHEIROS, E TECNICOS, TODA A TECNOLOGIA E MAQUINARIO DA ALEMANHA NAZISTA ELES COMETERAM A MAIOR PILHAGEM DE TODA A HISTORIA DA HUMANIDADE ASSIM COMO A MAIOR CAMPANHA DE ESTUPROS JA REALIZADA NA HISTORIA,CONTRA AS MULHERES ALEMAS.
 
1 resposta · ativo 93 semanas atrás
+2

leo · 93 semanas atrás

Os americanos tbm fizeram isso moço.
+1

edilberto dias · 93 semanas atrás

O Vetrov foi pego porque durante uma bebedeira deu uma facada na amante, e quando um policial abordou ele
tava tão chumbado que matou o oficial achando que ele tinha descoberto sua traição. Foi condenado a 12 anos de cadeia e começou escrever para a esposa. As cartas eram monitoradas pela KGB, que assim descobriu que ele era um traidor. Foi fuzilado com uma bala na nuca, não existe túmulo.
-1

Christian · 33 semanas atrás

Para vocês verem esse espião soviético foi estremamente importante para destruição da maldita URSS e mesmo assim os serviços segretos ocidentais não lhe deram segurança o cara ficou entregue a própria sorte e não recebeu nada em troca.Lamentavél, simplismente lamentável